Hoje, 10 de dezembro de 2020, se comemoram os 100 anos do nascimento de Clarice Lispector.

A Escola Letra Freudiana se une com entusiasmo a esse significativo momento e propõe, como homenagem, um encontro em torno de sua obra no primeiro semestre de 2021.

A seguir um fragmento de “A hora da estrela” em que a letra de Clarice adquire ressonância entre os analistas.

“Tudo isso, sim, a história é história. Mas sabendo antes para nunca esquecer que a palavra é fruto da palavra. A palavra tem que se parecer com a palavra. Atingi-la é o meu primeiro dever para comigo. E a palavra não pode ser enfeitada e artisticamente vã, tem que ser apenas ela. Bem, é verdade que também queria alcançar uma sensação fina e que esse finíssimo não se quebrasse em linha perpétua. Ao mesmo tempo que quero também alcançar o trombone mais grosso e baixo, grave e terra, tão a troco de nada que por nervosismo de escrever eu tive um acesso incontrolável de riso vindo do peito. E quero aceitar minha liberdade sem pensar o que muitos acham: que existir é coisa de doido, caso de loucura. Porque parece. Existir não é lógico.”

Colegiado
Escola Letra Freudiana

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *