Psicanálise e Literatura

Sabemos que a psicanálise e a literatura nascem de uma certa experiência de escrita. A pergunta que continuamos a percorrer é como o trabalho poético é essencial para a construção da teoria e da clínica do inconsciente.

O ponto de partida do seminário deste ano é o Duplo – repetição do idêntico – que provoca sempre uma inquietante estranheza, ou a “estranha familiaridade” (Unheimlichkeit).

O Unheimlich pertence de maneira peculiar tanto à psicanálise quanto à literatura, porque esta ilumina cenas que pouco se observa no cotidiano.

A partir da leitura de textos literários sobre o Duplo vamos buscar seguir os rastros dos autores na solidão de sua escrita.

 

Bibliografia Básica:

FREUD, S. “O Estranho”, (1919), vol. XVII.
LACAN, J. “O Estadio do Espelho como formador da função do Eu”, Escritos.
RANK, O. El Doble.
PORTUGAL, A. M. O vidro da palavra – estranho, literatura e psicanálise.

 

Andrea Bastos Tigre
Maria Helena Carneiro da Cunha

Início: março.
Encontro mensal, sexta-feira às 9h30.